Decorated Grey Christmas Tree

quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Krampus

Jesse um homem jovem e  falhado, vê-se de repente no meio de um 'diabo' e dos seus ajudantes, estão a querer matar  Santa Claus, no meio desta luta, a saca do pai natal cai dentro da barraca onde Jesse vive...e a partir daí, a vida e a aparência de Jesse sofrem várias mudanças .

É um livro muito bom sem dúvida. O autor consegue construir uma história na atualidade, tendo como base a mitologia nórdica. Krampus não é o contrário de Santa Claus, na visão do autor, a igreja católica distorceu mais uma vez as crenças da antiguidade. É um livro com uma mensagem muito importante, Santa e Krampus (imo) ainda que não pareça são na verdade iguais. Krampus assume-se como o verdadeiro espírito da quadra festiva (soltício de inverno), enquanto Santa é uma farsa,  herdou o nome e os ideais de um deus nórdico e depois 'roubou' a identidade de um santo católico. O autor consegue 'encaixar' estas realidades num contexto atual, com uma narrativa cativante, com alguma violência, e um desfecho algo previsível (ou talvez não)??Muito Bom 4,5 estrelas.


sábado, 27 de dezembro de 2014

A Culpa é das Estrelas

Achei estranho não haver sinopse deste livro, diz que é para rir, chorar, divertir mas nada mais. Ora pois eu faço a sinopse em duas frases, este livro é sobre dois jovens a morrer de cancro e sobre  o seu grupo de apoio, que é formado por mais jovens a morrer de cancro. Então com esta sinopse quem é que vai ler????

Não me vou alongar muito na opinião, o que posso dizer??? Que o autor é um fdp??? Por acaso algum de vocês sabe o que é ver e estar com toda a nossa família nos braços a morrer de cancro????????????????????????????????? Um por um a cair como pardais e eu a olhar sem nada poder fazer???? Já viram a cara de um jovem, da família do jovem quando o médico lhe dá 6 meses de vida??????? Pois é, perdi os pais e duas irmãs mais novas, sei MUITO BEM o que é Cancro, este senhor acha graça a isso certamente, é um criançolas, mas talvez a vida o ajude a compreender melhor e lhe dê aquilo por que tanto anseia ...
Tudo no livro é fictício, até o medicamento que tira os tumores do pulmão da jovem de 16 anos, isto é normal, isto é adulto???? Não dou classificação, e espero que este senhor tenha uma grande surpresa em 2015.

quarta-feira, 24 de dezembro de 2014

Quando a Neve Cai


Este livro conta três hisrórias de três grupos de adolescentes, numa vila americana. À primeira vista não estão relacionados, mas na 3º história (a melhor imo) juntam-se os três relatos e o leitor vê as peças do puzzle jumtarem-se e fazerem todo o sentido.

Gostei muito, sinceramente não estava à espera. Este livro descreve as relações amorosas de vários jovens durante o Natal. A escrita é simples e bem conseguida, é um livro 'leve' ,  que deixa o leitor feliz e divertido. Estas 3 pequenas histórias foram  como uma  pequena trilogia, a 1º foi boa, a 2º melhor que a primeira e a 3º foi excelente e melhor que as outras duas.
Tenho que salientar a crítica intencional ou não, dos autores em relação ao Natal, que na visão dos personagens, era uma época onde se trocavam prendas e uma época de férias, o sentido religioso da quadra não é sequer mencionado. O leitor só sabe que é Natal porque os autores o mencionam, poderia tratar-se de um dia de inverno normalíssimo, em qualquer época dos meses de Inverno. 4 estrelas. Gostei muito

terça-feira, 23 de dezembro de 2014

The Snow Child

Um casal de meia idade (Jack e Mabel) resolve ir viver para o Alaska, pois a vida na 'civilização' não lhes correu de feição,  decidiram recomeçar após terem perdido um filho à nascença.
Trabalham a terra e Mabel faz empadas para vender na vila. Numa das viagens para a venda das empadas, Jack conheçe os seus vizinhos , os Benson, o casal e 3 filhos.

Logo se metem à conversa e os Benson convidam Jack e Mabel para uma ceia. A partir daí ficam amigos para a vida. 
Chega o Inverno,Jack e Mabel decidem fazer uma boneca de neve, colocam-lhe um cachecol e uma luvas vermelhas. No dia seguinte a boneca estava por terra , o cachecol e as luvas tinham desaparecido. A partir daí o casal começa a ver ao longe uma criança com o  cachecol e as luvas vermelhas. Perguntaram aos Benson se havia na vizinhança ,casais  que tivessem filhas com idades compreendidas entre os 7/9 anos, mas não havia ninguém que correspondesse à imagem da criança que eles viam por ali.


Já conhecia o conto russo, e não acho que a escritora se tenha esmerado em escrever uma história original. A narrativa é agradável, mas demasiado extensa, e as cenas repetem-se. Uma leitura adequada ao Natal sem dúvida, mas achei que faltava qualquer coisa,talvez o que falta à maioria dos que se dizem 'escritores'...bases literárias. Alguém que se diz 'escritor' e não conhece os clássicos, é tal como ir ao Egito e não ver as pirâmides. 3 estrelas. Lê-se bastante bem porque é um conto russo.

sábado, 20 de dezembro de 2014

A História de Catherine - P. Modiano

O autor narra na 1º pessoa a história de Catherine, uma criança, que vive com seu pai num bairro de Paris. A profissão do pai é desconhecida,a mãe é americana e está na sua terra natal trabalhando como bailarina ( de quê; clássica, da broadway?!!)
Este livro foi um deceção, pois lá está caros leitores; como era Catherine, quantos anos tinha, em que ano andava??? Só se sabe que usava óculos, tal como seu pai.
Porque é que a sua mãe estava nos states e deixara os dois em França??? A narativa é um pouco aborrecida,mais uma vez, o leitor não sabe qual a intenção do escritor, não há expectativa, não há  'objectivo'. O autor consegue escrever um pequeno conto sem uma única descrição dos personagens.
Provávelmente era esta a intenção, se a história fosse interessante, (que não era) o leitor até acharia graça, mas o cenário de fundo, a história de Catherine, é monótona e sem cor.Em bom português ele escreveu um conto , mas pouco ou nada disse. 3 estrelas porque a escrita é ,digamos, cuidada.

The Extremes

Teresa Simons, nascida e criada numa base militar americana, localizada em Inglaterra, é uma criança dotada para o manejo de armas, incitada por seu pai. De regresso aos States, Teresa cresce e casa com Andy , um agente do FBI tal como ela.
Mas o azar bate à porta e Andy é assassinado, num massacre no Texas.
Teresa volta a Bulverton , Inglaterra, para tentar descobrir o que aconteceu no Texas?!! E estão vocês a perguntar o que tem uma coisa a ver com outra???? Aqui em Bulverton houve um massacre igual, no mesmo dia, à mesma hora, pelo mesmo assassino. Os agentes policiais, têm cenários virtuais, ou melhor realidade virtual, como treino. Esta mesma realidade pode levá-los de volta ao passado, e quem sabe caro leitor, devolver os mortos???

Um thriller de alta qualidade, onde o presente, pode ser passado, onde o passado, pode ser modificado, para alterar o futuro??!! Uma obra muito bem estruturada, onde a realidade virtual se faz presente, levando o leitor até locais nunca antes explorados.Teresa Simons tenta reconstruir o seu futuro por causa do amor que sente por Andy, será que o consegue trazer  de volta, viajando para o passado e para o momento em que Andy é morto??? Isto caro leitor é a pergunta de 1 milhão de dolares.
Se por acaso leram deixem aqui a resposta à pergunta: Andy voltou dos mortos???  Leitura 5 Estrelas.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Passatempo- J. Marillier

Participa e ganha um livro novo.

Alexander the Great - book 1

Primeiro livro da trilogia, dá-nos a conhecer a infância e a juventude  de Alexandre da Macedónia, que por assassinato de seu pai Philip II, se tornou rei com 16 anos de idade. Educado por Aristóteles, Alexandre desde cedo provou que era uma mente brilhante. 
Depois do assassinato de seu pai, Alexander jurou vingança, empreende assim a continuação do sonho de seu pai...a invasão da Ásia.
 
Brilhantemente escrito, este é um épico que não podia escapar da minha estante. Tem um pouco de tudo, assassinato, traição, sobrenatural, orgias, sacrifícios a Dionísio, guerra, sexo, e aventura. Acho que é difícil escrever sobre um épico. Este primeiro volume termina precisamente com a partida de Alexander para a Ásia.
À volta dele temos vários outros personagens dignos de destaque, sua mãe Olímpia, sua irmã Cleópatra, o seu cunhado e aliado Alexandre (também), e claro os seus amigos e generais que ficaram para sempre na história; Hefastion, Eumenes, Perdicas, etc. Mais um livro brutal e magnífico em tudo, na forma, na trama, nos plots. 20 estrelas, vou começar o 2º volume.

domingo, 14 de dezembro de 2014

O Palácio de Inverno

O Palácio de Inverno, tal como o nome indica, é sobre as intrigas na corte do palácio da imperatriz Isabel da Rússia. Através de uma jovem informadora polaca, Varvara, a imperatriz toma conhecimento dos traidores à 'mãe' Rússia.
Incapaz de ser mãe, Isabel manda chamar o sobrinho Pedro, para lhe suceder no trono. Tal como é da praxe, precisa de uma noiva à altura para ter o tal herdeiro. Assim, Isabel nomeia a candidata : Sophie de Anhalt-Zerbst, a nobre alemã, que depois de baptizada pela imperatriz,foi e é conhecida por: Catarina a Grande.

Um livro interessante, pois as intrigas da corte são algo de impensável.A história começa bem, mas no decorrer do livro torna-se um pouco aborrecida, uma vez que a ação é sempre no mesmo sítio (o palãcio de inverno). A personagem central não é Catarina nem isabel, mas Varvara a informadora, cuja história não é muito interessante. Ao contrário do que esperava, não é um épico. Uma história 'previsível' onde a autora não mantém o suspense. Enfim, o começo foi bom, o meio nem por isso, e depois as últimas páginas foram a grande revelação de como era Catarina .....
O livro termina com a tomada de posse de Catarina, aka, Sophie de Anhalt-Zerbst.
Foi uma leitura interessante. 3 estrelas.
Nota: A sinopse da fnac refere Catarina como sendo uma princesa da Prússia?!!!!Ao menos acertem nas nacionalidades.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Half a King

O primeiro livro YA de Joe Abercrombie. A história começa com dois funerias,( o rei e o seu filho mais velho), Yarvi o filho mais novo, fica assim na cadeira de ferro. Sem aptidão nenhuma para as lides de rei, Yarvi estava prestes a tornar-se 'minister' do rei, ou seja  um wise man, um conselheiro, uma mente brilhante, mas vê o seu sonho desmoronar-se ali mesmo, nas vésperas de ser o que toda a vida tinha idealizado.

Yarvi é também um 'cripple', não tinha dedos na mão esquerda, por isso o manejo das armas era-lhe impossível. Odem o seu tio, e irmão da raínha sua mãe Laitlin,não vê isto com bons olhos, e Yarvi cai numa emboscada, hoje é rei , amanhã escravo.
Mas Yarvi faz um juramente,  tem uma mente brilhante, ao longo da sua 'carreira' como escravo reúne uma troupe de foragidos, será que são o que dizem??


Mais uma vez Abercrombie surpreende com uma história de grande qualidade. A trama é brilhante, as aventuras sucedem-se a um ritmo alucinante, e o protagonista Yarvi, tem um percurso notável durante esta narrativa. 
No entanto, achei a escrita mais simples e a linha da narrativa também muito simples, uma vez que o escritor (ao contário das outras obras), só tem um plot a decorrer.
Não entendo isso do YA, se é Adulto para umas coisas, com certeza também é adulto para ler um livro. YA é  sempre um livro 'light', destinado a miúdos e teenagers, com uma escrita bastante simples, daí eu dar 4 estrelas. Gostei muito e já fiz pre-order do 2º livro.

sábado, 6 de dezembro de 2014

The Miniaturist

Amsterdam, meados do século XVII, um mercador rico de 38 anos, casa com uma moça da província com apenas 18. O casamento foi 'acordado' claro, pois a mãe da moçoila está sem dinheiro. Nella vê-se assim numa nova casa, onde ninguém lhe presta atenção, onde todos a ignoram, o marido inclusive....se é que entendem.
Nella não entende, a casa é um mistério,  está cheia de segredos. Johanes, o marido, oferece-lhe como presente de casamento, uma casa em miniatura, a casa onde vivem.

Esta miniatura é a perfeição. É uma reprodução fiel da mansão grande, com todos os pormenores nela incluídos, mas esta miniatura de casa, parece obra do sobrenatural, a miniatura dita o futuro de Nella e de todos os que habitam na casa. O  seu conteúdo  muda conforme os acontecimentos, sem ninguém lhe mexer.


Este livro é Brutal, uma obra de excelência equivalente aos clássicos antigos. A autora mantém um tom de mistério constante, os acontecimentos vão-se desenrolando e quando é revelado o 1º mistério, o leitor (eu) deixei cair o livro, fiquei sem fala durante 10 minutos pelo menos. A trama é complexa (muito), a escrita complexa é. A história é negra, com toques de sobrenatural.Livro não aconselhado a menores de 30 anos, a sério mesmo, mais pela complexidade e maturidade dos assuntos. Uma história que deixa o leitor à beira da exautão de 'sentimentos'. Baseada em factos históricos verídicos. Sem dúvida o melhor livro que li desde a minha infância, faz parecer todos os outros, livros infantis. Daria 50 estrelas, foi Brutal.