Cute Bow Tie Hearts Blinking Blue and Pink Pointer

sábado, 14 de abril de 2018

Prometo Falhar


Sinopse : não tem, é um um monte de frases soltas sem nexo, disléxicas, acho que, destinadas a  pobres de espírito.

Opinião: em primeiro lugar, este senhor só promete, deveria ingressar na política, pois lá é que se fartam de prometer, mas cumprir  'tá quieto. É impressionante como se pode escrever tão mal, a sério, frases sem nexo, enfastiantes , lamechas e sem qualquer sentido. Se procuram sabedoria popular, seria melhor comprarem um manjerico e ler o versinho que lá vem, pelo menos ficam com o manjerico e podem deitar fora o tal papelinho se assim o entenderem.

Caro leitor se tem amor à vida, não leia este livro, pois terá vontade de se suicidar,  eu própria se vivesse perto de um penhasco  teria vontade de me atirar dele abaixo. Até as próprias árvores se soubessem para o que estavam destinadas e não estivessem já mortas para serem martirizadas com estes disparates, cometeriam suicídio. Todo o 'livro' é um tumor maligno, prestes a rebentar, e você caro leitor, não vai querer estar por perto quando isso acontecer. Este livro é um  baú de 'tesourinhos' deprimentes e ordinários, é um atentado a todos os bons escritores. Este senhor Chagas Freitas , parece por vezes sofrer de algum problema mental, tal não é a barbaridade daquilo que escreve. Este livro é uma Calamidade, merece 0 estrelas.

domingo, 4 de março de 2018

Doida Não e Não!


Doida Não e Não, é uma obra de não ficção, conta a história de Maria Adelaide Coelho da Cunha a mulher que enfrentou Egas Moniz, Júlio de Matos e os sábios da época. Filha e herdeira do fundador do Diário de Notícias. Mulher do administrador do mesmo jornal, o escritor Alfredo da Cunha. Presa num manicómio por um «crime de amor». Os factos relevantes têm início em Novembro de 1918: era uma vez uma senhora muito rica que fugiu de casa, trocando o marido, escritor e poeta, por um amante. Tinha quarenta e oito anos, pertencia à melhor sociedade portuguesa. O homem por quem esta senhora se apaixonou, tinha praticamente metade da sua idade e fora seu motorista particular. Era herdeira do Diário de Notícias e a sua história chocou a sociedade da época.

Opinião: mais uma vez Manuela Gonzaga, surpreende os leitores que não conheciam esta obra (eu) com uma narrativa de altíssimo nível. Quem me segue no canal, já me ouviu falar da autora e da sua maravilhosa escrita, este livro não foi assim, exceção. Passemos agora à história de Maria Adelaide, que trocou a sua prisão sem grades, por uma prisão com grades...o manicómio.
Tenho tido algumas dificuldades em entender a atitude da sra. Maria Adelaide, confesso. Fugiu por amor, ou fugiu porque se sentia presa, asfixiada, torturada no meio onde vivia com seu marido (já corno) e seu filho?? Talvez por todos estes motivos, pensarão vocês, um acumular de maus tratos, e um belo de um dia a senhora disse para os seus botões: 'Chega, não aguento mais !!' Pega na trouxa, e lá vai ela rumo a um vilarejo, Santa Comba Dão, ter com o amante Manuel Claro, com idade para ser seu filho.
Estou convencida que M. Adelaide sabia que os dias de um amor e uma cabana, estavam contados, pois seu marido Alfredo (o corno) deu com ela e internou-a no manicómio. Se não soubesse que esta história era verídica, eu diria que seria um biorromance hollywoodesco, com cenas dignas de uma plateia para cinéfilos, tal não foram os caminhos por onde M. Adelaide se aventurou.
Como teria ela tantas certezas sobre as atitudes de Manuel Claro?? Como se toma uma decisão destas , fugir de casa sem deixar rasto, e não pensar nas consequências?? Penso que M. Adelaide queria Liberdade, ainda que isso lhe custasse a vida, ou a tal permanência na prisão com grades (manicómio). Se não tivesse tido ajuda e ,digamos, alguma sorte, teria apodrecido no manicómio, por isso mais uma vez me pergunto, porquê tomar esta atitude? Por amor ou pela sua liberdade, a decisão de M. Adelaide poderia ter corrido muito mal, sob vários aspetos. Agora caro leitor eu pergunto: E se fosse consigo, o que faria??? Um amor e uma cabana, ou a vida (sem amor) mas com todos os luxos e mais alguns, cujo preço a pagar  seria a sua liberdade, ou melhor dizendo , o seu cativeiro sem grades?? Maria Adelaide trocou o tudo, que para ela era nada, pelo nada que para ela foi tudo.
Não deixem de ler esta obra magnífica, com a escrita maravilhosa de Manuela Gonzaga. 5* porque não posso dar mais

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Xmas-a-thon



Bem-vindos, espero que participem nesta maratona de Natal, haverá prémios e desafios para todos os géneros literários. Esta maratona começa dia 15 de Novembro, e termina a 31 de Dezembro. Participa
aqui, mas primeiro torna-te membro do nosso clube, Tuga-a-thon.

terça-feira, 21 de março de 2017

Caraval


Sinopse : Duas jovens irmãs, muito diferentes em aparência e carácter, vivem na ilhota de Trisda com o pai, que é um brutamontes. Scarlet gostaria de ver o circo mágico Caraval, pelo que escreve cartas sucessivas ao dono, mas nunca obtém resposta. Porém, nas vésperas do seu casamento, Scarlet recebe uma carta com 3 convites para o tal circo...Caraval. Mas como fugir ao pai e saber a localização do circo??? Ahhhh, Julian um marinheiro de ocasião, vai ajudá-las a lá chegar. Mas afinal ...no tal circo, nada é o que parece, o circo, é um jogo muito perigoso...

Opinião - Com uma escrita bonita e cativante, a autora consegue levar o leitor para dentro do livro. A personagens, não são nada do que aparentam, (o que foi uma agradável surpresa). A estrutura da obra foi muito bem conseguida, e a história não é nada parecida com 'O Circo dos Sonhos'. O enredo tem um bom ritmo, e permanece um enigma até ao fim, cada página lida é um mistério , um jogo sem fim , um jogo muito perigoso. As descrições são fantásticas, o leitor não consegue parar de ler. Atrevam-se a entrar no jogo, entrem em Caraval.5 estrelas

domingo, 28 de agosto de 2016

A Vida de Pi

Piscine Patel é filho do dono do Zoo, o pai de Pi decidiu vender tudo e imigrar para o Canadá, onde tinha familiares. Na viagem de barco para o outro continente, o barco naufraga, Pi vê-se assim no meio do oceano com 1 tigre, 1 hiena e um oragotango...


Mais uma história genial de Martel. Uma viagem alucinante em águas do indico, onde Pi vive uma história extraordinária. Martel tem um grande problema com religião, pois este facto está presente em todos os seus livros. A dualidade das histórias é no minimo fascinante, Martel apresenta-nos duas realidades, o leitor depois escolhe a que mais lhe agradar, mas será que a que mais agrada é a verdadeira??? A escrita é sublime , porém, achei que o autor se repetiu demais no periodo em que Pi esteve à deriva. Algumas dessas partes foram bastante monótonas, mas isto foi um pequeno pormenor. 4.60 estrelas

The beauty of Darkness

Lia sobrevive, Rafe carrega-a nos braços e encontra os seus soldados, Lia é tratada e salva. Mas a guerra é certa, o Komizar também sobreviveu ao golpe fatal de Lia, tem um exército de 120 mil soldados e armas desconhecidas para os outros reinos, avizinha-se uma luta sangrenta...

Este foi para mim o pior livro da trilogia. A escrita perdeu um pouco da qualidade, tem páginas a mais, com coisas que não fazem falta nenhuma à trama. Os personagens também ficaram para trás, digamos, a autora só se focou em Lia, esquecendo-se um pouco dos outros, que tiveram um papel importantíssimo na trama,e aqui são meros peões. A ação é quase inexistente, o ritmo é lento. O fim foi fácil demais, foi previsivel demais. 3 estrelas 

A Rapariga que sabia demais

Melanie tem 10 anos vive numa cela, assim como outro punhado de crianças. O que resta da humanidade, vive em cidades cercadas por muros altos. 


Mais um livro de zombies, é só o que tenho a dizer. A história é como centenas de outras , a escrita não é nada de especial, é aborrecida, não prende o leitor. Os personagens , como é evidente, também não progridem. Este livro não traz nada de novo, contudo, gostei da explicação do autor, quanto à solução dada para a humanidade. Basicamente é um monte de pessoas a fugir dos zombies. 2.5 estrelas