Fruity Cherry Heart

sábado, 26 de dezembro de 2015

Ruin and Rising

Os Grisha escaparam mais uma vez ao exército negro de Darkling, os 'nichevo'ya', conseguiram esconder-se nas magníficas grutas de White Chapel. Alina a invocadora do Sol, parece ter perdido a capacidade de invocar a luz, está debaixo do chão. Uma vez recuperado o seu poder, o grupo foge mais uma vez, falta um dos amplificadores, o pássaro de fogo, só assim Alina e o seu pequeno grupo de grishas conseguirão vencer o imortal Darkling...mas as coisas correm mal, o exército negro previu todos os passos de Alina, mais um massacre, mais prisioneiros, Nikolai ficou sem exército, foi transformado numa aberração, Alina não tem exército.
 
Um final brilhante para a trilogia, o 1º livro deixou-me um pouco insegura, mas a autora conseguiu traçar uma evolução fabulosa, no 2 e 3º livros. A personagem Alina foi a única que não me cativou, gostei de todos os outros, até do Darkling. A escrita é simples, mas a história é fantástica, obedece ao tal padrão que falei anteriormente, fuga, prisão, fuga, neste último livro, fuga, prisão,fim (óbvio). Adorei o mundo criado pela autora, os efeitos que ela criou são realmente fantásticos e originais. Estes efeitos foram pesquisados pela autora e são realmente possíveis através da Física, e dos conselhos de vários físicos amigos da autora. As críticas negativas sobre este livro tem que ver com o Final, certamente que não vai agradar a muita gente, eu adorei  o twist final, que deixou os fãs de rastos e furiosos com a escritora. 5 estrelas.

quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

The boy who drew the Future

Blaze e Noah, dois rapazes de 14 anos, vivem na mesma cidade. Blaze viveu no século 19 e Noah na atualidade. Ambos tinham um "poder"... desenhavam o futuro. Blaze era quase um pedinte, a mãe foi acusada, presa e morta por bruxaria, deixando Blaze sozinho e em extrema miséria.

Noah, vive bem com os pais e acabou de se mudar para aquela cidade, jurou aos pais , nunca mais desenhar, mas não conseguiu cumprir a promessa.

O livro é contado na 1° pessoa, por Noah e por Blaze. O tema é interessante, especialmente a narrativa de Blaze. Os capítulos são curtos e a escrita bastante simples. Para ser sincera , a história de Noah, não me cativou. A autora centrou-se mais no dia a dia do adolescente e o tema principal (os desenhos do futuro) ficou relegado para um plano secundário e um pouco confuso. A história de Blaze foi melhor explorada, e mais interessante. Acho que  a autora deveria ter cortado a parte do Noah, não fez lá falta. A evolução da trama também não foi das melhores, e o final da história de Blaze foi uma incógnita, o leitor fica sem saber o que lhe aconteceu. O final da história de Noah também ficou em aberto. Apesar disto tudo, lê-se bem e sempre se aprende qualquer coisa. 3 estrelas.

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

The Wolf Wilder

Feo e sua mãe Marina, vivem numa cabana no meio da floresta russa. Devolvem os lobos, domesticados pelos nobres e ricos, ao seu meio ambiente, ou seja, os lobos são ensinados a serem novamente selvagens. Depois de uma alegada queixa de um lavrador, o general Rakov faz um ultimato a Marina, os lobos devolvidos pelos nobres serão abatidos.

Uma história fraca, comparando com Roof Toppers, avança muito lentamente e falta o tal factor  suspense ,que leva o leitor a querer passar a página. A escrita é agradável mas não magnífica, os personagens são simpáticos, mas não me cativaram. O tema da história não foi explorado, o leitor fica na mesma, não sabe como mãe e filha trabalhavam para devolver os lobos ao estado selvagem. Dá a ideia que a autora pega sempre nos personagens matriz ( uma criança com um dos pais, um grupo de crianças que ajuda a personagem principal, um adulto 'secundário' que dá apoio aos restantes) e os insere num cenário diferente, aqui foi o inverno russo, nos Roof Toppers o inverno de Paris e em Girl Savage, no calor de África. A história é idêntica  nos 3 livros e a autora não termina as histórias. 3 estrelas (pela escrita)

sábado, 19 de dezembro de 2015

Lost Christmas

Goose (Richard Thornhill) , depois do acidente dos pais, ficou orfão, vive com Nan a avó que está doente com Alzheimer. Goose tem apenas 10 anos e está revoltado, é um delinquente, rouba e vende depois o loot ao seu tio Frank. O acidente que vitimou os pais, deu origem à destruição de mais dois lares, o do seu tio Frank era um deles.
Num dos seus passeios 'produtivos' Goose olha pelas janelas das casas, e vê uma pulseira de ouro deixada em cima de uma cadeira, entra e rouba a pulseira. Vai de imediato a casa de Frank e tenta obter um bom preço pelo objeto, Goose quer comprar um presente à avó, é quase véspera de Natal. É então, que do nada, mesmo, aparece Anthony, outro vagabundo que toca nas pessoas e vê o passado das mesmas....


Foi uma leitura fabulosa, durante a 1º parte não parei de rir com as expressões idiomáticas do calão inglês. À medida que a trama avança, o tom vai-se tornando mais sério, mais sombrio. A escrita é simples e bonita, a história é (aparentemente) triste. Não estava à espera deste final, é uma mistura de Charles Dickens ( a Xmas Carol) e Neil Gaiman ( Os filhos de Anansi). Leiam vale muito a pena. 5 estrelas

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Siege and Storm

 Alina Starkov é a Invocadora do Sol, depois de perceber o seu poder, Darkling  aprisionou-a para juntar o poder dela ao seu, ele quer ser o senhor do mundo. Alina consegue fugir com Mal, mas as coisas correm mal e os dois fugitivos acabam prisioneiros num navio pirata, cujo capitão é Sturmhound, aliado de Darkling....ou talvez não. A tripulação do navio é constituída por Grishas,o que torna a fuga impossível. Mas o capitão tem muitos trunfos na mão, também ele quer ser o dono do mundo....

Uma leitura excecional, a progressão da personagem principal é brutal, o poder dela é brutal. O mundo criado pela autora é algo de surreal e magnífico. A trama está cheia de twists e cenas fantásticas , as descrições são fenomenais sem entrar em pormenores aborrecidos e desnecessários. Achei curioso o padrão da escritora, ABA ou seja , fuga captura, fuga (nos 2 livros). Acho que resultou a 100%. A escrita é simples , bonita e fluida. Mais uma autora a seguir. 5 estrelas

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

O Príncipe da Neblina


Maximilian Carver, parte de Londres com a família, para uma pequena vila costeira. Querem fugir da guerra e uma vila longe da cidade parece perfeita. Na estação de comboio, Irina a filha mais nova, vê um gato abandonado e decide ficar com ele. Chegados à vila, Max o filho de 12 anos, vai explorar a casa e encontra no jardim, umas estátuas de pedra horrendas, estão dentro de uma estrela de 5 pontas. Uma delas é  de um palhaço, e Max podia jurar que os olhos da estátua se mexeram.

Pouco tempo depois de estarem instalados, o bizarro começa a acontecer, uma maldição que envolvia os antigos donos da casa, vai afetar a família Carter. O Príncipe da Neblina, vem cobrar um favor que não chegou a ser pago.


Uma excelente leitura, a história é fabulosa e a escrita é de grande qualidade. Uma história de terror, que nada tem de juvenil. Foi muito bem estruturada, e avançou num excelente ritmo. Os personagens são cativantes e muito realistas, o cenário de fundo foi igualmente bem escolhido para o desenvolvimento da trama. 4.6 estrelas 

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Um Sino entre Mundos

Sylas Tate, um rapaz de 12 anos vive sozinho com o tio num bairro pobre de Inglaterra, pode mesmo dizer-se, um bairro de barracas. O pai faleceu quando ele era apenas uma criança de meses, a mãe, depois de adoecer e ser levada para um hospital psiquiátrico, faleceu também, assim seu tio lho fez crer. Sylas estava só. Num dos seus passeios pelas barracas da vila, viu  uma loja anteriormente abandonada, mas que agora tinha uma tabuleta e estava arrendada, era a Loja das Coisas. Sylas entrou e viu por lá coisas maravilhosas, o sr. Zhy deu-lhe um livro raro, um livro maravilhoso. A partir daqui, a vida de Sylas mudou, nessa mesma noite ouviu um sino, um sino que mais ninguém ouvia, dirigiu-se para onde vinha o som, e foi transportado para outro universo, um espelho do nosso....


Uma boa leitura, sem dúvida, para os mais pequenos e para os maiores também. A escrita é muito apelativa,lê-se muito bem e o leitor parece não conseguir parar de ler. Não é uma escrita magnífica, pois o autor alonga-se com algum exagero nas mesmas cenas, poderia escrever o mesmo, com menos palavras, se é que me entendem.Criou um mundo muito interessante, não posso dizer que seja original por aí além, mas é uma história bem concebida, e bem conduzida. Os personagens são simpáticos e o autor mistura várias mitologias, a egípcia em particular :) yeah !!

Deparei-me com outro 'problema', não sei se foi da tradução, ou se nas partes fantásticas, o autor não consegue ser muito claro em algumas descrições, francamente não entendi algumas partes das descrições, bonitas sim, mas pouco claras e demasiado eleboradas. A progressão  da história foi muito boa, os twists também foram algo inesperados e surpreendentes. O autor não terminou, o leitor ficou em cliff hanger. 4 estrelas

segunda-feira, 7 de dezembro de 2015

No Coração do Mar


Este livro é uma não ficção da tragédia do baleeiro Essex. Uma leitura aborrecida, pois o autor perde-se com descrições que nada têm que ver com o tema, quando volta ao dito tema, o leitor perdeu o interesse e perdeu também o foco do livro. Não há diálogos, e a escrita parece um relatório, não é bonita nem apelativa.

Não há muito mais a dizer, simplesmente que é mais um livro sobre- valorizado, quantos baleeiros não sucumbiram aos pretextos do oceano??? Por que é que este, é digamos, especial?? 3 estrelas, não pela história, mas pela escrita 

The Winter Folly

A meio da noite ,uma mulher dirige-se a um torreão (folly), sobe a escadaria de pedra e atira-se cá para baixo....

1964 Dorset- Inglaterra
Alexandra tem 19 anos, vai casar, seu pai arranjou-lhe o marido 'perfeito', um militar do regimento da Raínha. Lawrence é um homem bonito e simpático, Alexandra gostou dele, acha que vai ser feliz. Chega a noite de núpcias, Lawrence não sabe o que fazer com Alexandra, o temp passa e o 'problema' persiste.O casal vive agora em Londres, num dos seus passeios matinais, Alexandra encontra um dos seus amigos de infância, Nicky...o atual proprietário do castelo Stirling, e com este encontro Alexandra vai desenterrar uma mentira, uma maldição, e uma tragédia.

Uma excelente leitura, não sou fã da categoria de romance, mas confesso que este livro me agarrou do início ao fim. A história é contada em duas linhas temporais, 1964 e tempo presente. A escrita é bonita e cativante, não há triângulos amorosos, e a autora é extremamente realista nas descrições  dos sentimentos humanos. O livro conta a história de uma família, os Stirlings, proprietários de um castelo  pré-medieval. Devido à maldade humana, duas gerações desta família vivem numa mentira, vivem algo que nunca aconteceu, mas que acham que aconteceu, essa mentira, trouxe tragédia e infortúnio, será que alguém consegue quebrar esta maldição?? 4 estrelas gostei muito desta autora.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Gregor


Gregor, um garoto de 11 anos, vê os seus planos de Verão irem por água abaixo. Desde que o pai desapareceu, a vida da sua família tinha-se tornado muito difícil. A mãe trabalhava a dobrar, a avó tinha problemas de saúde, não havia dinheiro para nada. Portanto, Gregor estava de férias em casa, a tomar conta de Boots a sua irmã de 2 anos. Na sua viagem semanal à cave, para lavar e secar a escassa roupa da família,Gregor leva Boots, vê a bébé afastar-se e deixa de a ouvir, corre e verifica que há um buraco na grelha de ventilação da cave, Boots entrou por aí dentro, Gregor vai buscá-la, caem os dois no que parece ser um corredor de pedra infindável...

Uma grande leitura, surpreendeu-me pela positiva, pois sendo fã de Hunger Games, estava um pouco receosa de ler algo muito diferente. Uma história fantástica que tem lugar no submundo da terra. Um lugar onde vivem humanos, e animais gigantescos. A obra está muito bem estruturada, é simples mas excecional. As descrições do mundo das cavernas é de grande qualidade, e a autora revelou-se uma excelente contadora de histórias. A autora agarra o leitor do princípio ao fim do livro, com twists vários e inesperados. Os personagens são originais, não há triangulo amoroso (yeiiii), enfim uma história fantástica, fantásticamente contada. 4 estrelas

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

A Invenção das Asas

Sarah Grimké fez 11 anos, foi-lhe oferecida uma escrava ,Hetty ou Handful, um ano mais nova, mas com uma compleição muito franzina. Sarah não gostou, achou mal 'ser dona' de outra pessoa. Foi ao escritório do pai e tentou escrever uma alforria , a libertar Hetty dos seus serviços...

Mais uma história sobre a escravatura no sul dos States. A autora escreveu um género de diário, digamos, que me convenceu de início, mas no decorrer do livro, a história e as personagens não evoluiram, pelo contário, eram mais 'afoitas de início' e fraquejaram ao longo do livro. Sarah foi uma desistente e Hetty com as suas ideias de liberdade também não fez muito. Entre viver escrava ou morrer, eu preferia morrer.
Não entendi a amizade entre Sarah e Hetty, a autora não foi explícita. A obra foi bem encaminhada, bem conduzida, mas a espera do leitor pela tão desejada abolição da escravatura nunca aconteceu. Tal como disse anteriormente, começou bem mas terminou mal. Não entendi por que é que a mãe de Hetty se foi embora, esteve desaparecida cerca de 15 anos e não deu notícias à filha, que tinha 11 anos na altura do desaparecimento. Charlotte, ( mãe de Hetty) era uma rebelde, adorava a filha, e no entanto arriscou a vida dela e da filha para se ir encontrar e deitar com outro escravo, na cidade??????? Foi por amar tanto a sua filha que desapareceu certamente, e nunca deu notícias.

Sarah, foi uma mulher fraca e cobarde, desistiu de quase tudo, só depois dos 30 anos é que tentou fazer algo de útil pelos escravos, o que até aí nunca aconteceu, apesar das suas palavras de insurreição. 

Outra coisa que também não me convenceu, foi Hetty, que com apenas 10 anos falava e portava-se como uma adulta, o seu comportamento era adulto assim como o vocabulário??? O final do livro, foi quando realmente o leitor diz para si: 'agora sim...agora é que a ação vai começar'. Mas acabou assim, num cliff hanger. 3.5 estrelas

sábado, 28 de novembro de 2015

O Gigante Gentil GGG


A pequena Sofia, dormia descansada na sua cama do orfanato, quando de repente ouve um som que a despertou, assustou-se, foi espreitar à janela e viu um gigante, um homem enorme e assustador. Sofia escondeu-se atrás a cama, mas o gigante viu-a , enfia o braço pela janela e leva-a no bolso...

Uma história infantil, não achei que Dahl estivesse no seu melhor. As palavras inventadas, (o gigante não sabia falar), não ajudaram NADA a história. A escrita também não é cativante e a trama é aborrecida.  3 estrelas

A Casa de Bonecas


Um casal de turistas passeia alegremente por uma praia deserta, de repente ouvem gritos, os filhos descobriram o cadáver de uma jovem semi enterrado na areia.
Chamam a polícia, e a detetive Helen Grace toma conta do caso. O corpo já estaria enterrado há vários anos, depois de descobrirem a identidade da jovem, concluiram que não havia sido dada como desaparecida. 

Uma excelente leitura, muito bem estruturada e elaborada. Não  há um momento de tédio, assim por dizer, as surpresas sucedem-se, e o autor mantém o factor suspense até ao fim. O tema foi muito bem explorado , os personagens são bastante realistas. A escrita não é magnífica, mas é muito apelativa. 4 estrelas

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Silver Eve

Evie Carew é uma curandeira experiente apesar dos tenros 17 anos. Depois que a sua aldeia foi atacada por Troths, e o seu noivo selvaticamente morto por aquelas criaturas, Evie saiu de Merith, desejava morrer. No caminho para nenhures, Evie encontra um homem, um vagabundo, um vidente. Este dá-lhe várias pistas sobre o futuro próximo, Evie é muito curiosa, não sabe o que fazer, decide fazer uma invocação de um feitiço, mas esse feitiço é obscuro, não deveria ser invocado, Evie chamou a morte e destruição, sem saber....

A sinopse é muito resumida e não parece grande coisa, mas é uma leitura fabulosa. A escrita é magnífica e a história faz lembrar os tempos aureos de Juliet Marillier. A autora faz uma progressão da trama fenomenal. Apesar de ser um YA, a escritora tem bem presentes os valores do ser humano e explora-os em várias vertentes. A evolução da personagem principal é brutal, as descrições fantásticas são de alto nível , a estrutra da história é das mais bem conseguidas. Um história fantástica, fantasticamente contada. 4.5 estrelas 

P.S. ficou num cliff hanger

sábado, 21 de novembro de 2015

Joyland

Devin Jones, universitário de 20 anos, vai trabalhar  durante as férias, para um parque de diversões: Joyland. Sempre gostou de feiras e agora vai juntar o útil ao agradável. Por lá faz duas grandes amizades, Erin e Tom. Fascinado pela 'lenda' do comboio fantasma. Ali mesmo, naquele parque, naquele comboio, um serial killer matou Linda Gray. Há quem veja o seu fantasma, Tom viu-a


Não foi uma leitura excecional, pois na 1º parte do livro nada acontece. O tal clima de terror  'a la King' aqui não se verifica, pois é suposto ser um thriller. A escrita é simples mas bem conseguida, (valem os 30 anos de experiência) mas a trama foi mal explorada. Só nas últimas páginas do livro é que tudo acontece, portanto, o leitor lê mais de 200 páginas sem interesse, o interessante só no fim mesmo. 

A estrutura ainda que simples foi de algum modo bem conseguida, bem articulada, mas, imo, deveria ter sido mais 'espalhada' no decorrer da história, o autor foi muito lento no desenvolvimento da trama e o leitor perde algum interesse. Gostei (claro) do final, e da maneira como tudo aconteceu, foi bem engendrado. Gostei de todos os personagens, mesmo os 'maus da fita'. Não foi King no seu melhor. 4 estrelas.

terça-feira, 17 de novembro de 2015

Vidas Roubadas

Heidi Wood vê uma adolescente na estação de comboio, está suja e parece esfomeada. A adolescente traz uma bébé ao colo, Heidi resolve levá-las para casa.
Chris o marido, e Zoe a filha de 12 anos, não gostam de ter uma estranha e uma bébé em casa, estão desconfiados.O tempo vai passando e Heidi parece decidida a não entregar a jovem e a bébé à segurança social.

Uma história monótona e sem ação, a verdadeira história é contada pela jovem, e nos entretantos a trama arrasta-se sem qualquer interesse. A partir do momento em que a jovem Wilow (Grace) descreve o que tem vestido, (o que acontece antes do meio do livro), o leitor percebe tudo, não há twists nem surpresas, é tudo muito previsível. A autora não foi original, o tema é já muito 'batido', tendo já sido explorado por centenas de escritores. A escrita é correta. 2 estrelas pela história- 3 estrelas pela escrita, portanto 2.5 estrelas

sábado, 14 de novembro de 2015

Tower of Thorns

Blackthorne e Grim, vão até Bann, pois foi solicitada a presença desta mulher sábia, para tentar pôr um fim a uma maldição que assolava a vila em questão...um monstro uivante. Gostava de vos poder  contar mais, mas não há, é só isto.

O que posso dizer???' Não gostei, detesto os personagens, um livro que deixa qualquer um com uma enorme depressão. A escrita é bonita, como todos sabemos, mas a história não vale nada. Grim , um gigante atrasado  mental, que segue Blackthorne como um cão e não tem vontade própria.  Blackthorne, uma mulher sábia sempre azeda e mal disposta, sem um pingo de bondade ou gentileza para com ninguém. Faz o faz porque fez um trato com um 'fey'. A estrutura é fraca, a autora repete-se vezes sem conta, com a tal vingança a Mathuin, o homem que matou a famíla de Blackthorne , parecendo quase obssessiva. Um daqueles livros, que o leitor já está a adivinhar o desfecho, pois um dos personagens conta a história da tal maldição. Não há romance, não há ação, somente gente azeda e mal disposta, mesmo os personagens secundários, enfim, o pior livro da autora. 3 estrelas pela escrita, senão, seriam 2 estrelas.

Shadow and Bone

A nação de Ravka, foi outrora uma linda região, mas agora está envolta na Dobra, uma mancha negra de destruição e criaturas malditas, que matam quem por lá passa.

Alina Starkov, uma jovem orfã é desajeitada, não tem jeito para nada. Ela e Mal ,seu amigo de infância) são militares, estão estacionados  perto da Dobra e são atacados, sem saber como Alina demonstra um poder fabuloso e salva Mal...isto vale-lhe um 'bilhete' para se tornar Grisha, a elite dos mágicos, liderada por Darkling.


Uma história bonita, com personagens muito simpáticos. A escrita é agradável, mas não magnífica. Pelo meio, a leitura  torna-se repetitiva e infantil , a história perde um pouco o interesse, mas o fim tem um twist interessante e certamente que vou ler os livros seguintes. Um livro que pode ser lido quando nos sentimos tristes ou mal dispostos, pois a escrita é bonita e as descrições são muito bem conseguidas. 3.5 estrelas.

The Invasion of the Tearling

O reino de Tearling prepara-se para a guerra com a rainha vermelha, a feiticeira. Esta possui um exército poderoso e sofisticado, o reino de Tear não possui nada, apenas um punhado de homens com algum treino de guerra. 

Os 3 traidores que tentaram matar a rainha Kelsea, foram condenados à forca. No dia da execução, a populaça junta-se na praça para assistir ao acontecimento. Dois morreram com o 'laço' no pescoço, mas o 3 , o que exportava as jaulas de escravos, teve um tratamento especial, Kelsea, sem lhe tocar e com um poder imenso devido às duas safiras deixadas por sua mãe, começa por lhe rebentar com as entranhas, deixando-o a boiar no seu próprio sangue. A multidão exulta, Kelsea é Poderosa, pode salvar o reino....

O tempo vai passando, o exército negro aproxima-se, Kelsea tem visões, entra em transe, Kelsea já não é Kelsea, é Lily, do passado, que é futuro. O mundo melhor é um passado no futuro...( pois eu sei, é mesmo para não entenderem).


Foi uma leitura EXCECIONAL. A autora deu continuação ao livro anterior, que já estava num patamar muitíssimo alto, e conseguiu a proeza de aumentar esse patamar. Uma escrita magnífica, uma trama ao mais alto nível, com mil e uma coisas a acontecer ao mesmo tempo. Uma história fantástica, com personagens igualmente fantásticos, e com várias surpresas de tirar a respiração. A história é original e fabulosa, e eu não posso adiantar mais nada, qualquer coisa que eu possa dizer, vai estragar a riqueza deste livro. Ao 1º dei 5 estrelas, a este daria 7 ou mais. Foi Fenomenal

terça-feira, 3 de novembro de 2015

Sky Key

Neste segundo livro, os jogadores têm  que  alcançar a Chave do Céu, está com os Harrapeanos, é a filha de Shari. Uma vez alcançada a Chave da terra ,que se encontra na posse de Sara e Jago, os outros jogadores pretendem matar estes dois para assim ficarem na posse das duas chaves. Mas An Liu o shang, não morreu, sobreviveu ao tiro que levou na cabeça, pois tinha uma placa de metal. An Liu é um psicopata, vai deitar tudo a perder, carrega um video para o youtube, com as caras dos jogadores, e faz um apelo mundial, para que eles  sejam mortos ele inclusivé, só assim o jogo pára e a Terra sobrevive.

Uma grande leitura, com um ritmo alucinante, e bem estruturada, ou não fosse um jogo. Os personagens cresceram bastante neste 2º livro e os twists são fabulosos. Ou seja, aqui nada é o que parece. A escrita  é demasiado descritiva, e por vezes o leitor pensa que está a ler as instruções de um jogo e não um livro, tem demasiado calão, demasiadas obscenidades, que eram perfeitamente dispensáveis. Vou tornar a dizer, não se pode escrever como se fala. Ainda assim, aprende-se imenso e os autores dão-nos a sua versão dos inícios dos tempos.  Gostei bastante ,4 estrelas 

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

The Vanishing Witch

 Inglaterra 1359
A viúva Catlin chegou com os seus dois filhos e criada a Lincoln, herdou bens do falecido marido e procura Robert of Bassingham, um mercador rico, para a aconselhar a investir.Robert fica logo embeiçado pela alegre viúva, chegando a esquecer-se da sua própria mulher e filhos. Catlin tem já cerca de 40 anos, não é uma beleza, mas tem o poder da sedução e da simpatia. Edith , esposa de Robert, adoece entretanto, e aí o mercador leva Catlin e os filhos desta para dentro da sua própria casa. A partir daqui, a vida de Robert começa a andar para trás, a morte e a bruxaria, têm agora uma palavra dentro da sua casa, as mortes macabras sucedem-se. Beata, a criada da casa e conselheira da falecida  Edith, não gosta de Catlin, e gosta ainda menos dos filhos desta, Leonia é estranha, tem 13 anos mas é bizarra, Edward tem mais de vinte e é um inútil.

Entretanto Guntar, um dos barqueiros de Robert, transporta dentro do seu bote, um frade misterioso e desfigurado, parece a morte, está todo retalhado. Guntar vive com a mulher e 3 filhos na margem do rio, vivem em extrema pobreza. Porém os emissários de Ricardo III, avisaram o povo de que os impostos iriam aumentar.

Uma excelente leitura, sem dúvida, um thriller medieval passado no reinado de Ricardo III. O livro está excecionalmente bem estruturado, a história é fabulosa, pois cada página virada é uma surpresa, e o suspense não só aumenta, como é uma constante até à última página. Tenho a salientar que um dos narradores é..um fantasma. Aprende-se imenso, a escrita é de grande qualidade e viciante, a trama é de tirar o fôlego. 5 estrelas (ou mais)

Insónia

Parker Chip, um jovem de 16 anos, há 4 anos que não dorme, em vez disso sonha os sonhos da última pessoas que ele olha nos olhos. Entretanto conhece Mia, que tem sonhos bons e Parker consegue finalmente descansar. Mas Mia torna-se para ele uma obssessão, como se não bastasse, algo começa a perturbar os sonhos de Mia. 
 
 
Uma leitura entediante, para não dizer medíocre. A escrita é péssima, a tradução ...nem vou comentar.Quem lê a sinopse fica interessado, claro que fica, mas depois o tema é mal explorado. A estrutura é fraca, a ação é inexistente,  suspense não há. O leitor não tem motivo para passar para a folha seguinte, nada aqui é apelativo, é mais uma  historieta de teenagers com problemas, e como disse anteriormente a escrita não vale nada. 1 estrela, foi péssimo.

domingo, 25 de outubro de 2015

The Mime Order

Paige e os outros mediums conseguiram escapar de Sheol I, a prisão dos clarividentes, uns morreram , outros voltaram a Londres. Reina a confusão,estão com medo dos vigilantes e dos Rephaim, pois mais cedo ou mais tarde alguém os virá reclamar. Paige sente que algo está muito errado, quer contar a todos o que se passou em Oxford. Foram torturados, espancados e escravizados, é urgente avisar os outros sindicatos acerca do Inimigo..os Rephaim. Tenta reunir uma assembleia mas ninguém quer saber. Não acreditam que possa haver uma raça de 'aliens'...entretanto os sindicatos preparam-se para mais uma scrimage, uma celebração para eleger o novo Underlord, uma vez que assassinaram o anterior...
 
A autora deu seguimento à história, mas esta leitura foi um pouco mais lenta e com partes mortas. Não houve grande progressão dos personagens, nem grande progressão da trama. A escrita é correta, mas não magnífica, e mais uma vez tudo foi deixado para o fim, ficando o leitor num cliff hanger. A história contudo, prende o leitor e é muito interessante, vou esperar pelo 3º livro. 4 estrelas

A Estação dos Ossos - Bone Season

 Londres 2059

Londres tem agora vários grupos e sindicatos do 'submundo', os sindicatos dos videntes, médiuns, cartomantes, oráculos etc, conhecidos por pessoas não naturais. A SciOn abriu caça a estes individuos, pois dedicavam-se a atividades não muito legais. Paige Mahoney uma dreamwalker, portanto com um estatuto bastante elevado no seu grupo, decide ir de comboio até casa de seu pai, mas é apanhada pelos vigilantes, conseguiu matar dois, mas foi feita prisioneira. Quando acorda, está em Oxford, ali perto.Todos pensavam que Oxford tinha sido totalmente destruída e incinerada, mas não, era um pretexto para ali estar estabelecida uma colónia de mediums, que serviam de escravos a um povo mitológico...os rephaim, os gigantes míticos da Biblia, do livro de Enoch e da epopeia de Gilgamesh....

Uma grande leitura, com personagens únicos e com uma história inédita. Muito bem estruturada e muito bem conduzida. Mais uma escritora a aproveitar a mitologia, para escrever um épico de grande qualidade. As descrições são fabulosas,não há triângulo amoroso ( thank God), e a progressão da trama é qualquer coisa de sublime. A escritora foi criticada pelo calão que usa no texto, mas tudo isso está num pequeno glossário no fim do livro. Não posso dizer muito mais, sem entrar em spoilers. 5 estrelas

O Estranhão 4

Mais uma aventura de Fred Sá. Comparando com os livros anteriores, este é um pouco mais fraco. A escrita tem menos qualidade e as histórias repetem-se à semelhança de livros anteriores. O autor utiliza frases e palavras brasileiras.
 
Muito sinceramente, não parece a mesma pessoa que escreveu os outros 3 livros. Até os temas que interessam a crianças e pais, não têm aqui grande relevância. O livro tem sempre cerca de 183 páginas, e o preço é exorbitante, acho que não vou comprar mais nenhum, este 4º foi uma decepção. 3 estrelas

domingo, 18 de outubro de 2015

The Queen of the Tearling

Kelsea Glynn é uma jovem de 19 anos, vive escondida do mundo, foi educada para ser rainha. Kelsea é uma jovem simples de aspecto, é alta, tem cabelo e olhos castanhos, tem peso a mais e não é bonita.
Barty e Carlin, seus pais adotivos, encarregaram-se da sua educação esmerada. Mas exatamente por ter completado 19 anos, a escolta chegou, a que a irá conduzir ao seu futuro reino. Depois de várias tentativas de assassinato, chega por fim a Tearling, um reino pobre, corrupto, miserável. No momento da sua chegada, é confontada com um dos horrores do reino, as jaulas dos escravos que irão ser enviadas para Mortmesne, cem pessoas são enviadas mensalmente para a rainha de Mort, a rainha maligna, a rainha feiticeira....Kelsea diz Não, não serão enviados mais escravos, e pede para libertar o povo encarcerado...

Uma leitura excelente, com uma escrita de alto nível, muito bem elaborada e estruturada. A autora desenvolve um tema politico-social, que se pode aplicar aos dias de hoje. Temas como a corrupção, pedofilia, prostituição, tráfico de drogas, religião, traição, assassinato e... magia são os ingredientes deste magnifico distópico. Uma teia extremamente complexa, onde as surpresas se sucedem e os acontecimentos não são nada previsiveis. A protagonista é uma jovem rainha espetacular como governante, como mulher é simples, feia e gorda, o que não é habitual em nenhum livro. Gostei de todos os personagens, pois as descrições são muito realistas e todos nós nos identificamos com alguns deles. No início podem achar uma leitura lenta, mas não desistam, vale a pena. 5 estrelas

sábado, 10 de outubro de 2015

O Livro de Feitiços de Deliverance Dane


Connie Goodwin é uma jovem estudante de 24 anos,  candidatou-se às provas para doutoramento na disciplina de História Colonial, frequenta a universidade de Harvard e tem provado ser uma grande investigadora. Sua mãe Grace, pede-lhe para tratar da venda da casa de sua avó, uma casa construída no século 17, na antiga vila de Salem, perto de Harvard portanto. Connie (Constance) ao limpar a casa, descobre uma Bíblia com uma chave dentro, dentro da chave sai um pequeno  papel com um nome: Deliverance Dane...


Uma grande leitura, a autora alterna o tempo presente com pequenos interlúdios do século 17 em Salem. O leitor fica a conhecer a vida e descendência de Delivery Dane, uma alegada 'bruxa' de Salem. Uma escrita simples mas muito bonita, o ritmo é  talvez um pouco lento, mas agradável de ler. Gostei de todos os personagens e do ritmo imposto à progressão dos mesmos. Sem dúvida, uma excelente maneira de começar as leituras de Halloween. 4 estrelas

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

A última noite em Tremore Beach

Peter Harper, é um talentoso compositor de músicas para filmes, anúncios comerciais, etc. Encontra-se a passar umas curtas férias na Irlanda, justamente em Tremore Beach. Depois de um divórcio difícil, Peter achou que um pouco de solidão no seu país lhe faria bem. Tinha como únicos vizinhos um casal de idosos, Leo e Marie, que viviam perto dali, na outra casa junto da praia. Depois de ter sido atingido por um raio, Peter começa a ter visões estranhas e macabras. O médico acha que são ataques de sonambulismo e/ou paranoia, causados pelo relâmpago.
 
Uma leitura razoável, um pouco confusa e mal estruturada, pois o autor começa uma ideia, alonga-se com outros pormenores que nada interessam para a história, e não termina a ideia inicial. O leitor não sabe quando começam as tais visões e quando é realidade, está muito mal definido. O autor poderia ter explorado muito mais as ideias principais da trama, optando por deixar tudo para o fim, para as 2 últimas páginas. Os personagens são simpáticos, estão bem caracterizados, mas não há grande desenvolvimento dos mesmos ao longo do livro. A escrita é simples, não é grandiosa nem magnífica, mas é fluida. Gostei da história. 3 estrelas

domingo, 4 de outubro de 2015

Rainha Vermelha

Mare Barrow é uma jovem plebeia de 17 anos, vive com os pais e irmã mais nova nas barracas de Stilts, os irmãos foram recrutados para a guerra. Mare é desajeitada, não faz nada de útil, rouba nas ruas de Stilts. Gisa, a irmã mais nova de 14 anos, sustenta a família, bordando para a elite dos Prateados, seres superiores com poderes sobre-humanos. Mas oh triste destino, Mare Barrow , apesar de ser uma pebleia de sangue vermelho, fica a saber (pelas piores razões) que também ela possuí um poder devastador. De um dia para o outro, de plebeia, passa a ser 'princesa', não sabendo pois o que lhe estava destinado....


Uma grande leitura, sem súvida, surpreende pela excelente qualidade da escrita, e pelo constante suspense que a jovem escritora impõe no ritmo de leitura. A personagem principal, pouco tem de 'infantil', demonstrando até, uma perspicácia desenvolta para os seus tenros 17 anos. Não é a teenager idiota, que a maior parte dos escritores nos impinge, fazendo da fantasia , um mero romance de amor, com cenários fantasticos. Certas partes fazem lembrar Hunger Games, sem dúvida, mas se formos por aí, todos os livros nos fazem lembrar qualquer coisa que lemos para trás. 
Não há partes aborrecidas, gostei de todos os personagens, mesmo os malignos, adorei Evangeline, a rapariga que controlava os metais, letal por isso, e inimiga de  Mare. Mais uma vez, o leitor se vê perante um cenário político, onde os ricos e abastados vivem às custas do povo miserável, e por consequência é desencadeado um movimento rebelde. 4 estrelas

quinta-feira, 1 de outubro de 2015

As Gémeas do Gelo

O casal Moorcraft (Sarah e Angus) está de luto, uma das suas gémeas de 7 anos de idade caiu de uma varanda relativamente baixa e morreu. Estão desvastados, só há uma coisa a fazer, vender a casa de Londres  e ir para a Escócia, para a casa na ilha de Torren, casa e ilha foram deixadas pela avó de Angus. Mas a ida para a ilha, não corre nada bem, Kirstie diz que não é Kirstie, ela é afinal Lydia, a outra gémea, mas pior ainda, os pais não as conseguiam distinguir em vida, agora que uma delas morreu, o casal não sabe qual das gémeas é a sobrevivente. Kristie fala com Lydia, diz que ela está sempre presente, na nova escola não é aceite, pais , alunos e professores não a querem lá, não querem a 'aberração' que fala com fantasmas.... 

Uma excelente leitura, o autor conseguiu (não sei como) transmitir a aflição dos pais quando perdem um filho, a aflição de uma gémea quando perde a irmã, o leitor entra literalmente no livro. O clima de suspense é constante, não há momentos parados, é uma história macabra e viciante. O leitor tem que estar atento, pois a narrativa alterna entre Sarah ( a mãe) e o narrador (autor). O leitor sente o horror daqueles pais, e da criança que ficou sem a sua 'metade'. Uma aventura pelos meandros dos sentimentos humanos, pela mentira, pela traição, pela morte, pelo sobrenatural.Como se isto não bastasse, o pano de fundo é uma ilha escocesa remota, fria, cinzenta, deserta e por isto também bela. 5 estrelas pois não posso dar mais

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Trono de Vidro

Celaena Sardothien, está presa nas minas de sal  de Endovier, é uma assassina implacável, nunca mais verá a luz do dia. Mas o príncipe herdeiro vai até lá com uma proposta, ela será o campeão do Rei seu pai, e em troca terá a sua liberdade. A assassina aceita, e lá vai rumo ao castelo de vidro. Os seus adversários são assassinos, mercenários, ladrões. Iniciam-se as provas , mas alguns dos adversários são brutalmente assassinados.
 
Gostei da história, é quase uma história infantil. A autora mantém um bom ritmo , uma escrita agradável num estilo muito light. Uma aventura épica, mas com vocabulário e objetos do século 21 , (casas de banho, açucar, chocolate, o próprio castelo de vidro, gomas, snooker, ya snooker, etc). Os personagens são descritos de uma forma patética, são infantis e irresponsáveis. Não evoluem nada no decorrer da trama. Gostei da ideia, não é muito original, mas proporciona ao leitor uma leitura, descontraída e leve. Tem continuação, não é uma leitura stand alone , e sou sincera, quero saber o que vai acontecer a seguir.
 
A tradução é VERGONHOSA. Vi-me obrigada a comprar o ebook em inglês.Faltam palavras, a tradutora adultera os conteúdos, como já referi, tive que ler em inglês pois tornou-se difícil entender o que a tradutora inventou, sim inventou, pois o que foi traduzido não corresponde ao original.3 estrelas 

A República nunca Existiu

Uma coletânea de contos sobre Portugal monárquico, como se o atentado a D. Carlos não se tivesse concretizado.

Não gosto de contos, pois ou se é muito talentoso e se escreve um conto que convença, ou não. O assunto é já de si aborrecido, e os autores não primam pela imaginação. A escrita porém, é muito correcta e até bonita.
Os contos em si não têm grande interesse, nem originalidade. 3 estrelas pela escrita.

sábado, 26 de setembro de 2015

The Marvels

A história começa com imagens, o naufrágio do Kraken e o único sobrevivente foi um rapaz de 9 anos Billy, passou-se em 1766. A história avança até perto de 1900, sempre contada com imagens.

Passamos depois para 1990, agora só  com texto, Joseph um adolescente irritante de 13 anos, foge do colégio, e dirige-se até à casa de seu tio Albert em Londres. Joseph acha um livro com apontamentos da caravela Kraken, e do seu sobrevivente, pensa que se trata dos seus antepassados. Mas está enganado. Albert seu tio, inventou tudo, nada do que se passou foi real. Albert quis homenagear Billy, seu marido, com a história do naufrágio. Para isso baseou-se nele próprio e nas pessoas que o rodeavam e juntamente com Billy inventaram o tal cenário.

O autor usa o tão famoso padrão ABA, desenho, texto , desenho, para dar vida a uma historia triste e confusa. O texto não é magnífico, é simples e algo confuso em certas partes. Baseando-se numa história real, Selznick tentou contar uma história triste, muito muito triste, com um final ainda mais triste, e em aberto. 3 estrelas pelas imagens.

A Incrivel Viagem do Faquir

Um faquir indiano, viaja até ao IKEA de frança para comprar uma cama de pregos. Tem uma nota de 100 euros falsa, que usa para vigarizar os europeus. Mas a viagem de regresso corre mal e o indiano é apanhado pela polícia de fronteira, juntamente com outros ilegais, são postos fora e são reencaminhados para o que é suposto ser o país de onde sairam.

A história está muito bem construída, mas não achei tanta graça como ao livro da menina que engoliu a Nuvem. Este livro tem partes aborrecidas, onde os diálogos não existem, e na minha opinião, a história perde o interesse. O vocabulário e a escrita são de grande qualidade, a história não me convenceu. 3 estrelas

domingo, 20 de setembro de 2015

Seeker

Escócia - algures no futuro

Quin, John e Shinobu preparam-se para se tornarem Seekers, falta uma missão 'no terreno' que será liderada por Briac pai de Quin. Briac diz que John não está preparado , não podendo assim fazer parte da última missão que o tornará Seeker, é portanto expulso da propriedade onde decorreu o seu treino. Quin e Shinobu voltam da tal 'missão', mas voltam outras pessoas, sombras daquilo que eram...todo o seu mundo desmoronou, Seeker era aquilo que foram obrigados a fazer??? Seeker era estabelecer a Harmonia, agir com justiça, mas não foi nada disso que lhes foi mostrado. John jura vingança por ter sido humilhado, quer Quin a rapariga dos seus sonhos, mas Quin é agora o inimigo, ou será Jonh o Inimigo??? 

John quer o athamé (vão procurar o que é , preguiçosos, loooooooooooool) o objecto que transporta Seekers através das várias dimensões, através do espaço e do tempo, Quin é detentora e mestra na arte do telestransporte, e dona do athamé. Para fugir a este passado horrível, Quin abre um 'buraco' no espaço, atira-se lá para dentro levando Shinobu e sua mãe Fiona, ficaram presos entre dimensões, mas Quin consegue levá-los para o outro lado do mundo...saem do 'buraco' perto da casa da mãe de Shinobu, na ilha de Hong Kong.

Para trás ficou o passado (assim pensaram eles) as recordações e os Dread, detentores da sabedoria universal, de idade indeterminada, com capacidades sobrehumanas...

Uma leitura fabulosa, um cenário e uma história originais, onde a antiga Escócia e um mundo futuro se combinam na perfeição. A alusão aos menires escoceses, aos druidas e aos circulos de pedras sagradas da antiguidade, são uma constante, contrastando com a nave espacial que sobrevoa Londres. A autora consegue dar um toque místico, ao mesmo tempo que as altas tecnologias e viagens no tempo se sucedem. Os personagens são originais, a história é cheia de ação e suspense, os capítulos são curtos e a história é contada através dos 3 personagens, Quin, John e Shinobu, sem nunca se repetir, o que é muito importante. Dei por mim a folhear as últimas páginas mas já não havia mais história, pois a autora deixa o leitor num cliff hanger. 4.50 estrelas 

sábado, 19 de setembro de 2015

Follow you Home

Daniel e Laura viajam de comboio pela Europa, querem conhecer os vários países antes de casar e constituir família. Metem-se à conversa com outro jovem casal que viaja no mesmo comboio em direção à Roménia. Laura afirma que trabalha com crianças numa instituição e Daniel é informático. Mas o cansaço vence, e o casal adormece nas carruagens cama. Quando acordam, os passaportes, o dinheiro e os tlm foram roubados. Chega o revisor que os coloca fora do comboio na próxima estação, Alina a moça romena, tenta ajudar e é também posta fora. estão os 3 numa estação deserta da Transilvânia, à 3.00h da manhã. Alina precisa de ir à 'casa de banho' e desaparece. O casal tenta encontrá-la, e ao longe, avistam uma casa de madeira com luzes ténues, dirigem-se para lá e entram....

Chegados a Londres, nunca mais foram os mesmos, Laura deixou o emprego e tem alucinações, Daniel torna-se alcoólico quando os seus amigos começam a aparecer mortos...


Uma excelente leitura, um thriller psicológico e brutal. O autor desenvolve muito bem a trama, tornando-a viciante. São aqui focados dois temas que afectam as nossas fronteiras, a imigração ilegal e o outro não digo, senão é spoiler. Mais uma vez se acentua a ideia de que todos nós somos capazes de fazer o impensável.  4.5 estrelas

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

A Menina que engoliu uma Nuvem do tamanho da Torre Eiffel

Providence Dupois, carteira de profissão, vai finalmente voar para Marrocos e trazer a sua filha adotiva Zahera, de 7 anos de idade, que se encontra gravemente doente. Mas oh infelicidade, o vulcão islandês decidiu entrar em erupção e os voos foram todos cancelados. Providence, não desiste, vai aprender a voar. Em Orly encontra um chinês que lhe dá um panfleto, o monge Tibetano Bué, é a solução, ele faz com que tudo seja possível (diz o panfleto) e Providence entende que deve ir falar com Bué. Este tem uma tasca ao lado do aeroporto....


Não posso adiantar muito da história, pois o factor surpresa é essencial. Uma narrativa hilariante, uma história muito bem elaborada, uma escrita simples e ao mesmo tempo magnífica, fazem deste pequeno livro uma grande maravilha. A lição de vida do autor ,é qualquer coisa de extraordinário. 5 estrelas, foi fabuloso

O Herói da Eras - parte 1

Elend Venture, desde que 'ressuscitou' dos mortos , tornou-se num alomante poderoso e provou ser um verdadeiro líder. Tanto ele como a sua mulher Vin, conseguem agora controlar os Colossos. Procuram as reservas de átio que creem estar escondidas numa caverna em Luthadel. 

Elend procura dialogar com Penrod, está farto de guerras e mortes, quer tentar tomar Luthadel pela diplomacia, mas Penrod não se deixa convencer.  Algo acontece... Vin fica encurralada na tão desejada caverna de pedra, os metais foram removidos, e a sua reserva pessoal de metais alomânticos chegou ao fim, será que é a morte de Vin???

Mais uma excelente narrativa de Sanderson,  nesta 1º parte são já revelados alguns dos mistérios do Império criado pelo senhor Soberano. Os personagens estão em constante evolução, o enredo  vem com algumas surpresas, algo que o leitor não estava à espera, a trama complica-se. Sanderson mostra mais uma vez a sua capacidade para construir e desenvolver mundos Fantásticos. Contudo, a 1ª parte terminou num cliff hanger. 4 estrelas

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Ramsés II - O Deus Vivo

Breve e resumida história de Ramsés II, não faço sinopse porque tudo o que li foi tirado da História. A autora acrescentou uns breves diálogos, utilizou vocabulário e expressões do século XXI, só lá faltou 'fixe e bué'. A leitura é aborrecida e monótona. Ramsés II, é conhecido como um grande Faraó e um grande militar, ganhou várias batalhas importantes da história do Egito, por exemplo a de Kadesh, onde estão os relatos???? Pois bem não há.

Um livro desprovido de Originalidade,as descrições também são quase inexistentes. Acho que o leitor ganhará mais se comprar um livro de História do Egito. 
2 estrelas.

quarta-feira, 2 de setembro de 2015

Fool's Quest


Pegando exatamente nos acontecimentos do livro 1, a mansão de Whittywoods , residência de Fitz e sua filha Bee, foi atacada. Os criados foram brutalmente assassinados, as mulheres e crianças violadas e mutiladas, no fim atearam fogo aos corpos. FitzVigilant e Lady Shun (filhos de Bréu) tentaram salvar Bee, mas não conseguiram. Shun e Bee foram levadas.
Enquanto se dava esta matança, o inútil do Fitz tratava do Bobo, que voltou a Torre do Cervo, também mutilado e cego.Fitz tinha deixado a sua filha para trás ( mais uma vez) e a sua mansão desprotegida, sem guardas. 
Quando finalmente a filha mais velha de Fitz (Nettle) mandou um emissário a Wittywoods através do portal das pedras, este mal conseguiu dar notícias do que aconteceu, pois estava tudo toldado por um nevoeiro de magia, que não deixava as pessoas lembrarem-se do que tinha acontecido..

O Bobo, também ficou desolado por Bee, pois afirma que Bee é o profeta branco e sua filha, Bee tem  assim ,dois pais e uma mãe, sendo Molly a mãe Fitz e o Bobo os pais....

Mais uma obra-prima de Robin Hobb, que continua a história de Fitz , com uma nova estrutura , com novos personagens e uma história de tirar o fòlego. A escrita é brilhante e o suspense mantém-se durante todo o livro. As descrições de Kelsingra são magníficas, assim como do povo dragão. Como a autora deixou claro desde a 1º trilogia, Fitz é o personagem principal, mas é o idiota chapado, o que não faz nada de jeito, o que deixa toda a gente ficar mal. 5 estrelas

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Histórias de Terror do Tio Montague

O pequeno Edgar mudou-se com os pais para uma nova vila. Edgar atravessa diariamente o bosque para visitar o seu tio Montague, o qual tem umas histórias bizarras para contar. Porém a casa do tio é estranha, tem sombras e barulhos esquisitos. Franz o criado, é um homem assustador e não tem sombra. 


Uma leitura muito boa, tendo em conta que é destinada a um público infanto-juvenil. O livro tem vários contos que aparentemente não estão ligados... os contos são assustadores, e nada têm de 'infantil'. Houve um  em particular que me impressionou, o das duas vigaristas que passavam por 'psíquicas', para roubarem a casa das idosas crentes, mas as coisas correram mal...oh se correram. As histórias estão muito bem contadas, numa linguagem simples mas que deixa o leitor sempre na expectativa. Um bom livro para o Halloween. 4 estrelas

terça-feira, 25 de agosto de 2015

Survive the Night

Casey volta de uma clínica de reabilitação, Shana e duas outras   amigas de escola, vai buscá-la e diz-lhe que vão a um sítio espetacular..uma festa Rave que se chama Survive the Night. A tal festa é num túnel  abandonado do metro. Já lá dentro, o corpo de Julie aparece todo desmembrado, com os intestinos pendurados...há algo de maligno e estranho no túnel, algo que mata...

Mais uma história de arrepiar, onde a expetativa é constante. Não posso dizer que seja original, pois quando lerem vão entender porquê. Achei a história confusa, pois como as jovens tomavam drogas, o leitor a certa altura não percebe se aquilo aconteceu, ou se era mais um devaneio de Casey. A escrita é básica, nada tem de bonita, achei mesmo um bocado incorreta. 

O final foi outra vez inconclusivo tal como aconteceu no livro The Merciless. A estrutura poderia ter sido melhor delineada e o tema melhor explorado. 3 estrelas.

O Escriba

A casa do casal Wess é assaltada, Andrew o primo de Emily é assassinado por causa de uns documentos antigos  coptas ,comprados por Emily a mando da Universidade. Na mesma altura nos E.U. o FBI apanha um terrorista que se diz também ligado a uma seita Egipcia de gnósticos. Os assaltantes levaram metade dos documentos e quando se apercebem disso, estão decididos a apanhar Emily e o documento que falta, um mapa..


Um thriller brilhante, cheio de ação e mistério. Muito bem estruturado. A narrativa tem vários plots a acontecer, ficando o leitor sempre  expetante da página seguinte. A escrita é muito correta e aprende-se muito, pois o autor baseou-se mais uma vez em factos reais. 4 estrelas

Station Eleven

Depois de uma praga de gripe assolar a Terra, este nosso mundo fica destruído. Os sobreviventes americanos juntam um grupo de atores e músicos e lá andam de terra em terra a representar Shakespeare e a tocar. A narrativa alterna com o presente e com o passado.

Não gostei desta leitura, é chata e aborrecida, um distópico onde nada se passa, o cenário é uma terra abandonada e degradada. Acho que para a categoria de distópico, a autora poderia ter tido mais imaginação e mais ação. Isto é na verdade um tipo de romance disfarçado de distopia. O fator suspense não existe, eu não tinha vontade de voltar a folha, pois a autora não me dava motivos para isso. A escrita é correta e precisa, a história não vale nada, de facto até me pareceu uma parente pobre do Night Circus. 3 estrelas , pela escrita, 2 estrelas pela história.

Valquíria

Freya tem 17 anos, vai tornar-se uma Valquíria tal como sua mãe e irmãs. A cerimónia é no hall principal de Valhala, cidade dos deuses nórdicos, como todos sabem. Mas Freya não gosta de visitar os campos de guerra, de onde tem de recolher as almas dos guerreiros que morrem com dignidade. Tanta morte e tristeza não é o que a jovem deusa quer para o seu futuro, mas ao recolher a alma de um militar, Freya faz-lhe uma promessa, promete ajudar a famíla dele na terra (Midgard).

Um livro básico, que nada tem de original. Uma deusa de Valhala  vem à Terra ajudar os humanos. A estrutura é linear, a linguagem é básica , a tradução é do pior que tenho lido. Há muitos erros ortográficos e gralhas constantes. Parece uma banda desenhada escrita em forma de livro. 2 estrelas

domingo, 16 de agosto de 2015

Uprooted

10 anos passaram, está na altura de Dragon o feiticeiro levar uma jovem aldeã para a torre. Kasia deverá ser a escolhida, é a mais bela e prendada. Agnieshka a sua amiga de infância teme por ela, toda a aldeia teme o Dragão, apesar de nunca o terem visto maltratar ninguém. Mas surpresa surpresa, o feiticeiro não leva Kasia, leva Agnieshka, para horror de seus pais e irmãos, Agnieshka a desajeitada, a que não sabe fazer nada.A jovem contraria o feiticeiro, enfrenta-o, pergunta-lhe porque leva uma rapariga, retirando-a dos pais e amigos...o feiticeiro ' acha-lhe graça' e leva-a.

A vila fica perto do limite do Bosque Maldito, o bosque que mata e corrompe quem lá entra...ninguém sabe o porquê deste mistério.
Agnieshka lá vai contrariada, mas Dragon percebeu, ela é uma jovem poderosa, é uma bruxa de nascença. Inicia a sua aprendizagem, mas é de curta duração, o feiticeiro foi chamado para defender uma das vilas limítrofes do bosque, que foi atacada por um dos monstros malditos.... Agnieshka fica sozinha na Torre. Wensa a mãe de Kasia vem pedir ajuda ao feiticeiro, Kasia foi levada pelo Bosque...na ausência do feiticeiro, ela pensa que é seu dever ajudar os aldeãos, e vai com Wensa, vai tentar trazer Kasia de volta...a partir daqui, a autora muda por completo o cenário da trama....

Foi uma leitura Maravilhosa, uma história Fantástica que nos arrebata desde a primeira página. A sinopse que fiz foi uma pequeníssima parte da trama, pois a narrativa é tão intensa que não dá para dizer mais sem entrar em spoilers. 

Tudo neste livro está bem construído, a trama, os personagens, o desenvolvimento dos dois. A escrita é excelente, o leitor não encontra partes aborrecidas, está sempre a acontecer algo. As batalhas são brutais, a autora percebe muito de estratégia militar?!! Até a parte romântica do livro foi tipo ...Wowwww, bem 'apimentada' se é que entendem. Adorei este par. As cenas dos encantamentos são BRUTAIS, a cena da INVOCAÇÂO é de tirar o fôlego. Tem partes chocantes e brutais, mas enfim faz tudo parte da narrativa. 5 estrelas.

quinta-feira, 13 de agosto de 2015

O Circo Dos Sonhos

Não vou adiantar muito da sinopse, pois este livro apanhou-me de surpresa. Celia Bowen, foi entregue a seu pai Hector Bowen, (mágico de profissão) com um bilhete pregado ao casaco. Tinha na altura 5 anos de idade.Mas Celia tinha características muito especiais, tal como seu pai. Entretanto aparece o Homem de Cinzento, e propõe a Hector um jogo, uma aposta. Os dois homens concordam e daí a uns anos o jogo começa...o cenário será Um Circo Mágico, que só abre portas à noite.
 
Uma história maravilhosa, que deslumbra o leitor com a perfeição da escrita e as características do enredo.Se gosta de magia (verdadeira, não ilusionismo), se gosta de sonhos tornados realidade,com personagens absolutamente originais e peculiares com uma história arrebatadora, então este livro é para si. Está  já no meu top 5. 10 estrelas.Foi Magnífico.


Armada

Gostaria de fazer uma sinopse, mas o livro é tão mau e tão confuso, que não me vou dar ao trabalho. Basicamente é um grupo de nerds que acha que está a salvar o mundo de um ataque de aliens, através de um jogo de computador. Páginas e páginas onde nada acontece. Logo de início o protagonista Zak, descreve ao longo de 10 paginas a sua visão de um OVNI enquanto está na aula de matemática...depois passa para a sua infância e lembra-se do seu pai que morreu quando Zak era uma criança de meses, ah sim tudo isto na aula de Matemática...


Foi um dos piores livros de SEMPRE. A escrita é Péssima, os personagens são de um extremo mau gosto e a história, se é que se pode chamar a isto de história, é para esquecer. Se o leitor julga que vai encontrar um livro da qualidade de: Ready Player One, esqueça, pois este último foi uma questão de sorte. 1 estrela.

quarta-feira, 5 de agosto de 2015

An Ember in the Ashes


Os Máscaras atacam a casa de Laia, dizem que Darin, seu irmão, faz parte da Resistência ao Império, Nan e Pop seus avós maternos são executados à frente dela. Darin é levado, ninguém sabe para onde, ou sequer se estará vivo.Laia recorre então ao líder da resistência, irá infiltrar-se e espiar a academia militar do Império, e eles tentarão libertar o irmão. Espiar a Comandante Keris Veturo, é sentença de Morte, mas os rebeldes não o dizem a Laia, sua mãe era a cara da Resistência, Laia quer ser como a mãe.

Elias Veturo, é um Máscara, filho da Comandante Veturo, mãe e filho odeiam-se. Elias foi abandonado por Keris, numa das tribos da região, foi criado por uma tribal, aprendeu os seus costumes, o seus idiomas e as suas lendas. Com 6 anos de idade foi levado para a academia para se tornar um Máscara. A cerimónia do juramento dos Máscaras está próxima, há mais de 100 anos que os Augúrios não aparecem, mas no dia do juramento eles vieram...4 dos jovens Máscaras, iriam ser sujeitos a 4 provas, o vencedor será o novo Imperador e o 2º classificado o 1º Comandante, os restantes serão condenados à morte.

Mas Keris consegue adulterar as provas, faz batota, pois quer ver Elias morto, Keris é a Morte personalizada, Keris é uma mulher monstruosa, com cara de anjo.

O que posso dizer desta leitura magnífica??? Foi no mínimo, genial. A autora pegou no antigo Império Romano e deu-lhe uma nova 'cara'. Uma história plena de magia, assassínios, atos de tortura, traição e algum (pouco) romance. Temos dois narradores, Laia e Elias, uma tensão e um clima de mistério  constante, pois cada página é uma surpresa. A escrita é de alto nível, nada tem de lamechas ou de  imatura, a evolução da trama e dos personagens é brutal. Uma leitura Fabulosa, não digo mais. 7 estrelas