Sun 3

quarta-feira, 23 de julho de 2014

O Nome do Vento


Os livros contam a história de Kvothe e da sua família de músicos , andavam de terra em terra cantando e tocando os feitos dos heróis e as lendas locais. Kvothe gostava de magia e alquimia, mas por traços do destino a caravana dos menestréis foi atacada e a sua família foi morta, Kvothe sobreviveu porque na altura tinha ido ao rio buscar água. A sua história continua num mundo enfadonho, que se prolonga por mais 3 livros, é repetitivo, monótono e sem interesse.


 Desde o seu ingresso na Universidade para aprender alquimia, até ao fim, Kvothe é mais um orfão mimado, que de humilde não tem nada, mas que de tudo sabe. Não entendo de onde vem a classificação 'Fantástico', porque nem a ação nem o enredo são 'Fantásticos'. Não há magia, não há cenários deslumbrantes, enfim não há nada.


Páginas e mais páginas de um enorme  vazio. Péssimo, pior que A Voz da J. Marillier.

Sr. Rothfuss, menos palha e mais, mas muito mais ação.

Sem comentários:

Publicar um comentário