Sun 3

terça-feira, 8 de julho de 2014

O Olhar do Açor


A ação deste livro, tem lugar no séc. XV, na dinastia de Avis.Gonçalves Vaz, sua mulher Constance e a filha de  ambos (ou talvez não) Leonor vivem no palacete de Águas Santas, propriedade conhecida por ter umas termas 'mágicas' que tudo curam. Leonor tem como melhor amiga  e quase irmã Guida, uma negra a quem a família se recusa a chamar e a tratar como escrava.

 Leonor atinge os 16 anos, e seu pai tem a função de lhe arranjar um marido de origem nobre. Gonçaves Vaz conselheiro de D. João I (mestre de Avis) vai à corte e volta com um rapaz por quem Leonor se interessa de imediato . A partir daqui, começa a tragédia, o rapaz desaparece durante um passeio, e o mal instala-se no meio daquela família nobre. Tomás Rebelo, filho bastardo de D.João I e conselheiro de seu meio irmão D. Henrique, pretende apoderar-se de Águas Santas, ninguém sabe porquê. 

A sua vinda para uma visita ao palacete, torna-se num verdadeiro Inferno, Tomás Rebelo é a incarnação do Mal, um bruxo, um monstro, através dos seus poderes, consegue destruir Águas Santas e todos os que lá vivem. Leonor e Guida conseguem fugir,pois  não resta nada, apenas o fio com o nó eterno no pescoço de Leonor. Alguém lhes deu um nome....um tal de Açor, devem dirigir-se a Lisboa e tentar encontrar esse homem.....estão completamente sós no mundo...

Opinião: Neste livro S. Carvalho esmerou-se na história e na lenda. A escrita é fluente e rica em pormenores históricos, é original e cheio de ação, cada página virada é um enigma. Não tem falhas, está perfeita. Classificação MUITO BOM.

Sem comentários:

Publicar um comentário