Rainbow Pinwheel Pointer

sábado, 21 de novembro de 2015

Joyland

Devin Jones, universitário de 20 anos, vai trabalhar  durante as férias, para um parque de diversões: Joyland. Sempre gostou de feiras e agora vai juntar o útil ao agradável. Por lá faz duas grandes amizades, Erin e Tom. Fascinado pela 'lenda' do comboio fantasma. Ali mesmo, naquele parque, naquele comboio, um serial killer matou Linda Gray. Há quem veja o seu fantasma, Tom viu-a


Não foi uma leitura excecional, pois na 1º parte do livro nada acontece. O tal clima de terror  'a la King' aqui não se verifica, pois é suposto ser um thriller. A escrita é simples mas bem conseguida, (valem os 30 anos de experiência) mas a trama foi mal explorada. Só nas últimas páginas do livro é que tudo acontece, portanto, o leitor lê mais de 200 páginas sem interesse, o interessante só no fim mesmo. 

A estrutura ainda que simples foi de algum modo bem conseguida, bem articulada, mas, imo, deveria ter sido mais 'espalhada' no decorrer da história, o autor foi muito lento no desenvolvimento da trama e o leitor perde algum interesse. Gostei (claro) do final, e da maneira como tudo aconteceu, foi bem engendrado. Gostei de todos os personagens, mesmo os 'maus da fita'. Não foi King no seu melhor. 4 estrelas.

2 comentários:

  1. Viva,

    Não consigo atinar com este escritor, ainda tenho aqui alguns dele por ler mas vou sempre adiando :)

    este não conhecia mas passo :)

    Bjs

    ResponderEliminar
  2. Pois se eu não tivesse já lido os best sellers do autor, estes últimos livros também não me cativavam

    Bjos

    ResponderEliminar