Rainbow Pinwheel Pointer

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Lady Midnight

Cadáveres de todos os tipos aparecem em L.A. com um tipo de escrita demoníca desconhecido para os Shadowhunters. Emma afirma com toda a certeza que é o mesmo assassino dos pais, pois reconhece os tais símbolos pintados nos corpos. 
A jovem tenta descobrir algo sobre o assunto nos shadow markets, o que é ilegal...

Estreei-me nesta autora e a estreia não foi auspiciosa, o livro é aborrecido e a escrita apresenta pormenores irrelevantes. Vou começar por 'embirrar' com as criaturas que por lá aparecem...os Fae, carambas os Fair Folk????? Como é  que estes povos da mitologia Irlandesa e britânica lá foram parar??? Elfos, a viver em pleno L.A. seriously???????
A escrita parece muito padronizada, obedece a um certo esquema, não achei original,pareceu-me um episódio do CSI L.A. para ser sincera. O ritmo é lento, a autora dá preferência ao tal romance lamechas, que não interessa a ninguém, e ação propriamente é quase nula. 

A protagonista Emma é estranha, nunca consegue fazer nada sozinha, tem sempre que ser salva, isto é que é ser a maior shadowhunter lá do sítio??? Depois lá vem o triângulo amoroso, com sexo gay à mistura, a sério??? isto é um YA??? 
A história não vale nada, a escrita também não. 2 estrelas

2 comentários:

  1. Olá!

    Ainda não li.
    Da autora, é melhor é mesmo a trilogia As Origens, ou no original Infernal Devices. Isso sim, ela criou muito bem. Pelo menos é o que eu acho, que sou fã das personagens da trilogia =)

    A outra saga não gosto tanto, dos Instrumentos Mortais, mas lê-se.

    As Crónicas de Bane gostei.

    Este espero gostar, mas já estou a ver que a Cassandra Clare está a inventar muito.

    Vamos lá ver =)

    Bjs e boas leituras
    Passa pelo meu =)

    ResponderEliminar
  2. Eu nunca li nada dela, nunca me senti inspirada. Comprei este livro só para ter a certeza, não faz o meu género.

    Bjos

    ResponderEliminar